Resenha #153 - O que restou de mim - Kat Zhang - Galera Record


Título: O que restou de mim
Autor (a): Kat Zhang
Editora: Galera Record
ISBN: 9788501098368
Ano: 2014
Páginas: 320


Livro recebido em parceria com a Editora


Sinopse: Addie e Eva são híbridas duas almas no mesmo corpo. Em sua realidade, todos nascem assim mas, ainda na infância, uma das almas torna-se dominante. Mas isso nunca acontecia com as duas. Considerados instáveis e perigosos, os híbridos foram perseguidos e eliminados das Américas. E quando o segredo delas é ameaçado, Eva e Addie descobrirão da pior forma que há muito mais sobre os híbridos do que os noticiários de TV e os livros de história contam.
Quanto mais minha força diminuía, mais ferozmente eu lutava para ficar, avançando de todas as maneiras que podia, tentando convencer a mim mesma de que não desapareceria. Addie me odiava por isso. Eu não conseguia evitar. Lembrava da liberdade que costumava ter; nunca de forma completa, é claro, mas me lembrava de quando eu podia pedir nossa mãe um copo d’água, um beijo quando caíamos, um abraço.

Esse ano eu li algumas distopias e acabei virando fã do gênero. Quando soube do lançamento de O que restou de mim de cara me interessei pelo livro, o que mais me chamou a atenção foi o fato de ser uma distopia, e claro amei a capa, quando surgiu a oportunidade solicitei para a editora.

O que restou de mim se passa em um mundo onde uma pessoa nasce com duas almas, e por volta dos 7 anos acontece o fenômeno de "definição", onde a alma dominante se sobressai e a alma recessiva desaparece. Até esse fato ocorrer no mesmo corpo habitam duas pessoas diferentes, com gostos diferentes, consciências diferentes, e o controle do corpo é exercido por essas duas consciências, ao nascerem as duas almas ganham nomes distintos. Em O que restou de mim conhecemos Addie e Eva, elas são duas almas, que hoje estão com 15 anos e que enfrentaram alguns problemas na época da definição.

Addie é a alma dominante, e Eva a recessiva, porém até aos 12 anos, elas ainda não tinham se definido. Suas vidas são repletas de idas e vindas a especialistas. Qualquer pessoa que não se define é considerada um "híbrido". Híbridos são considerados instáveis e extremamente perigos, e por este motivos são caçados e eliminados pelo governo.

Por conta disso, Addie e Eva escondem que não se definiram. Eva ainda permanece viva, apesar de não ser mais capaz de controlar os movimentos do corpo, ela ainda tem consciência e por mais difícil que seja ela não quer simplesmente desaparecer, ela não quer deixar de existir.

Como as duas precisam guardar esse segredo, fazer amizade é algo difícil. Mesmo assim Addie acaba conhecendo Hally e Devon, dois irmão, que mais tarde Addie vem a descobrir que são híbridos como ela e Eva. Hally/Lissa e Devon/Ryan vão ajudar Eva a recuperar a capacidade de controlar o corpo juntamente com Addie.

Ataques terroristas provocados pelos híbridos fazem com que o governo intensifique a caça deles, o que faz com que Addie, Hally e Devon sejam descobertos e enviados para uma instituição onde outras crianças híbridas são testadas e observadas de perto. É nessa instituição que Addie e Eva descobrirão a verdade por detrás dos híbridos e da definição. É nessa instituição que Addie e Eva lutarão por suas vidas e pelas vidas de seus amigos.

Ninguém sabia que no meio da noite Addie me deixava emergir e andar pelo nosso quarto com minhas últimas forças, tocando os vidros frios da janela e chorando minhas próprias lágrimas.

O que restou de mim foi um livro muito confuso pra mim. Apesar de ser considerado uma distopia, ele apresentou muito mais elementos de ficção cientifica ao meu ver. Eu comecei o livro com altas expectativas, eu realmente gosto do gênero, porém eu não consegui me apegar aos personagens, e infelizmente o livro não rendeu.

A ideia de livro apesar de confusa é interessante. Duas pessoas ocupando o mesmo corpo, para muitos pode parecer gente demais em um só espaço, o fato de você nunca estar sozinho, pode ser aterrorizante e reconfortante ao mesmo tempo. Apesar de Addie e Eva ocuparem o mesmo corpo, notamos diferenças gritantes em suas personalidades.

A narrativa é feita em primeira pessoa pela Eva, que nos dá a oportunidade de conhecer como é a vida dessas duas almas que habitam o mesmo corpo, ela passa a ser a voz dentro de um corpo do qual ela não tem nenhum controle. Podemos entender toda sua angustia, seus conflitos e sua necessidade de expressão. Da mesma forma, que ela nos apresenta os sentimentos de Addie, que mesmo tendo mais autonomia, está longe de ter uma vida completa. Addie não quer que Eva desapareça, mas também não quer ser diferente das demais pessoas.

A narrativa do livro é lenta, passei praticamente 250 páginas ansiando por alguma ação, a autora poderia ter dado outro ritmo a história, pois é um bom enredo. Só que a lentidão dos acontecimentos, fez com a leitura fosse muito arrastada, me desanimando a cada página. Ficou faltando aquele climax, aquela parte que te prende e que te faz querer saber o que acontecerá na próxima página. A autora até tentou incluir um romance no livro, mais é algo tão morno que não deu nem pra torcer pelos protagonistas. E venhamos e convenhamos se ela tivesse explorado melhor esse romance, teríamos algo completamente novo, o romance entre duas almas recessivas que dividem seus corpos com outras almas.

O livro é o primeiro volume da trilogia As Crônicas Híbridas, a edição está impecável. Senti falta de elementos distópicos na trama, pouco sabemos sobre o governo e o porquê se faz necessário controlar os híbridos, porém é um enredo interessante e realmente inovador. Espero que nos próximos volumes da trilogia a autora consiga desenvolver melhor o enredo e quem sabe assim me cativar. Apesar dos pontos negativos, é uma história original e não é porque não funcionou pra mim que não possa funcionar para outras pessoas.

As vezes me pergunto como teria sido. Se nunca tivéssemos nos definido.
Se nunca tivéssemos aprendido a odiar a nós mesmas. Nunca tivéssemos permitido que o mundo enfiasse uma divisão entre nós, forçando-nos a nos tornar Addie-ou-Eva, não Addie-e-Eva. Tínhamos nascido com os dedos de nossas almas entrelaçados. E se nunca os soltássemos?

19 comentários:

  1. Quando vi a capa e li a sinopse desse livro fiquei bem curiosa pela sua leitura, pois adoro uma distopia.
    Infelizmente aos poucos fui perdendo o interesse, principalmente depois de ver vários comentários negativos sobre ele e saber que não tem quase nada de romance na história.

    bjs
    Tais
    http://www.leitorafashion.com.br

    ResponderExcluir
  2. Olá, Patty.
    A premissa do livro é bem diferente; nunca li nada onde o livro fosse narrado por uma alma e muito menos um livro onde as pessoas tinham duas almas. Mas premissas diferentes é o que dá gosto aos livros, né? Acho que arriscaria a leitura.

    M&N | Desbrava(dores) de livros - Participe do nosso top comentarista de dezembro

    ResponderExcluir
  3. A premissa do livro é super interessante, mas já vi várias pessoas reclamando do enredo, da lentidão, da confusão, assim como você Patty. Acho que, por se tratar de uma trilogia, esse deve ter sido um livro introdutório, e nos outros a autora dela abordar mais o governo, o porquê das coisas né, bom, pelo menos espero isso.

    ResponderExcluir
  4. Olá, Patty.

    Acho a capa desse livro sensacional e estou muito afim de ler ele. Fiquei pensando aqui com meus botões, vi resenha que amaram esse livro e algumas que nem tanto. A sua tem apenas 3 estrelas. '-' Mas as pessoas falaram que realmente ela deixou muitas pontas soltas e esperam que ela faça algo a respeito no próximo livro, vamos aguardar né?

    Beijos.
    Visite: Paradise Books BR // Sorteio Fim de ano

    ResponderExcluir
  5. Com essa resenha vi que esse livro é daqueles amei/odiei, 8 ou 80, pois em outra resenha que li ela diz que isso de duas almas não fica confuso, já aqui você diz que é. Mas é realmente bem original essa ideia!
    Excelente resenha! Um abraço!

    ResponderExcluir
  6. Achei o enredo super original. Pelo fato das 2 almas num corpo só. Mas parece que isso vai causar muitos problemas para a protagonista. Além de serem perseguidas para serem eliminadas. A distopia parece incrível, já havia visto mangás com esse tema. Então acho que para mim, não vai ser tão confuso como foi para você, caso eu pegue para ler. Uma pena que não parece ter tanta ação no livro, apesarem de serem híbridas e estarem sendo caçadas.
    Abraços Patty,
    ThayQ.

    ResponderExcluir
  7. Oi Patty,
    Não sou a maior fã de romances distópicos e saber que esse livro mais parece ficção do que distopia me deixou ainda menos animada, ainda tem o fato de ser uma trilogia =( . Concordo que um corpo é pouco espaço para duas pessoas hehe.
    Beijocas ^^

    ResponderExcluir
  8. A ideia desse livro me lembrou bastante A Hospedeira. Elas não eram irmãs, mas depois de um tempo passaram a ter um intensa ligação. No caso desse livro duas almas no mesmo corpo, sendo que elas são irmãs e uma precisa deixar de existir, parece ser um pouco mais complicado.
    A ideia da autora é interessante, mas mesmo gostando de distopias e Sci-fi não me empolguei muito a ler, ainda mais sendo uma série.
    Vamos ver no futuro.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  9. Oi Patty a premissa do livro é diferente... Mas não me agradou como um todo... A capa é bacana e pelo que você falou parece mesmo um livro mais de ficção do que distopia :/
    Bjs

    ResponderExcluir
  10. Oi Patty, estou querendo ler esse livro a um bom tempo, me interessei por ele assim que foi divulgado o lançamento!! Essa é a segunda resenha que leio e que dizem que ficou faltando algo na história, isso me desanima um pouco, mas ainda assim pretendo ler para tirar minhas próprias conclusões!!

    Xo
    Re.View

    ResponderExcluir
  11. Oii
    Eu também amo distopias, me jogo de jeito quando as leio. Eu já tinha planos de ler O que restou de mim há um tempo, mas fui me desanimando aos poucos. Eu amo o tema abordado, sem mentiras, a ideia é incrível; mas ainda estou desanimada kkkk E vejo que você não gostou muito da leitura, eu talvez tente no futuro, e espero que eu goste.
    Beijos

    ResponderExcluir
  12. Adoro essa capa.
    Já li outras resenhas, mas, a sua ficou ótima.
    Amei a ideia do livro e acho que é um livro que me agradaria muito.
    Ainda não pude lê-lo, mas, espero ter essa oportunidade em 2015.
    =)
    E, para melhorar, é uma trilogia. *---*
    Amo sagas e séries. kk'
    Beijos!!

    ResponderExcluir
  13. Hey, Patty!
    Nossa, odeio livros lerdos! Gosto de livros com bastante acontecimentos e pelo visto não é o que vou encontrar em "O que restou de mim". Mas, valeu a dica.

    Abs

    ResponderExcluir
  14. Que estranho uma pessoa nascer com duas almas porém interessante demais.
    Ansiosa para ler o livro.

    ResponderExcluir
  15. Poxa eu li a sinopse e adorei, mas pelo que falou o livro não é tudo isso :( É uma pena você não ter gostado do livro.

    Beijos.

    http://livrosleituraseafins.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  16. Uauuuu mais uma distopia que já fiquei louca, me lembrou a Hospedeira mas por sua resenha já vi que não tem nada a ver! hehehehe adorei! Vou dar uma oportunidade a leitura!

    Beijos Joi Cardoso
    http://www.estantediagonal.com.br/

    ResponderExcluir
  17. Mais uma distopia, já adorei! Me lembrou um pouco A hospedeiras, mas pela resenha já vi que bem diferente, fiquei curiosa, quando tiver oportunidade vou dar uma oportunidade a leitura!

    Beijos Joi Cardoso
    http://www.estantediagonal.com.br/

    ResponderExcluir
  18. Minha esposa é louca por esse livro. Ainda não tinha lido nenhuma resenha dele e parece bem legal, principalmente por ser meio ficção científica.

    ResponderExcluir
  19. Olá,
    A sinopse me deixou curiosa e também achei essa capa maravilhooosa! Mas, confesso que fiquei um pouco confusa com relação a história, acho que se lesse não iria gostar...
    Beijo.
    Choque Literário

    ResponderExcluir

Comente, ficarei muito feliz em saber sua opinião!!!