Resenha #191- Não-Sei-Quê - Stefan Bachman - Galera Junior

Título: Não-Sei-Quê
Autor: Stefan Bachman
Série: O Peculiar #2
Editora: Galera Record
ISBN: 9788501401885
Ano: 2015


- Livro recebido em parceria com a editora.

Sinopse: Não-Sei-Quê - O segundo volume da série O peculiar. Pikey Thomas não tem nada. Nem família nem amigos... nem dois olhos normais. Mas sua visão, quem diria, tem algum valor. Seu olho cinzento, capaz de enxergar o que não está à sua frente, pode ser de alguma valia para o irmão de Hettie — o corajoso aventureiro Bartholomew Kettle. Alguma valia para o nobre que o adotou. E Pikey faria qualquer coisa para escapar do passado, qualquer coisa por uma nova chance. O destino dessas três crianças está prestes a se entrelaçar. E o resultado pode acabar com o mundo das fadas e o dos homens.

Fala galera, tudo bom? 

Alguns de vocês podem lembrar que eu resenhei o livro O Peculiar no ano passado, e esse ano a Galera lançou o segundo e último livro da duologia. Nem preciso dizer que eu estava bastante animado com a conclusão da história, né?

Não vou entrar em muitos detalhes da história, afinal é o segundo livro da série, e não quero contar nenhum spoiler para vocês, mas para dar uma refrescada na memória, vou contar um pouquinho sobre a história de O Peculiar e então comento o que eu achei da leitura de Não-sei-quê, beleza?

O Peculiar é um livro infantojuvenil onde temos fadas e humanos convivendo simultaneamente em Londres. Acompanhamos a história de Bartholomew Kettle, um medonho, metade humano e metade fada. O menino presencia uma cena um tanto quanto curiosa e a partir disso passa a correr contra o relógio para salvar a sua vida e a de sua família. Temos também Arthur Jelliby, um político Londrino, que viveu a vida inteira em cima do mundo, nunca escolheu lados e sempre viveu uma vidinha mediana. Por ironia do destino, Arthur é envolvido em toda uma trama complexa e perigosa e seu caminho vai se cruzar com o do Jovem Barth. Esse é basicamente o plot de O Peculiar e a história do segundo volume segue precisamente de onde tinha parado.

A narrativa do livro segue o mesmo esquema de O Peculiar, é feita em terceira pessoas com diversos pontos de vistas, algo que sempre me agradou, afinal temos um panorama muito mais amplo dos acontecimentos e da história como um todo. 

O início da leitura é bastante arrastado, pois estamos sendo introduzidos ao efeito gerado pelo final de O Peculiar. Eu fiquei um pouco perdido no início, pois não lembrava muito bem os acontecimentos do volume anterior, e o autor não fez aquela introdução característica, eu tive de reler as últimas páginas de O Peculiar para me situar melhor na história. A sensação de a leitura não render como você espera, passa lá por volta da página 100, justamente na hora que a ação começa. Ambos os livros parecem ter sido feitos para uma leitura mais lenta, com mais calma, onde você pode apreciar cada detalhe da narrativa de Stefan, que é extremamente rica em detalhes, por mais bizarros que eles sejam, afinal, estamos falando das fadas.

Acredito que o fato de ambos os livros terem um ritmo mais lento é particular da escrita de Stefan, ele as vezes utiliza um vocabulário mais rebuscado, mesmo se tratando de um livro infantojuvenil, e em momento algum ele subestima a capacidade do leitor. 

Um ponto que me incomodou um pouco em O Peculiar foi a falta de desenvolvimento das fadas e de sua mitologia, fico feliz em dizer que nesse segundo volume isso não foi repetido. Temos muito mais detalhes sobre a vida das fadas e a forma como sua sociedade maluca e exótica funciona e é um tanto quanto interessante. O mistério que envolve o primeiro volume é mais bem explicado e a conclusão é bem redondinha. Alguns novos personagens são introduzidos a história e os antigos são bem mais trabalhados, um ponto muito positivo para o livro. 

- Maud! - O tom de voz da dama foi ríspido.
- Oh... sim, senhora.
- Desculpe, sua tola, mas não sou uma senhora. Sou a Duquesa de Anseios-perto-da-Floresta, Filha dos Lagos e Senhora do Corredor dos Grampos de Chapéu. Você deve me chamar de "milady".
A fada se inclinou para a frente. Seu rosto enrugou-se abruptamente em um sorriso.
- Mas, quando não houver ninguém por perto, pode me chamar de Piscaltine. - Deu uma piscadela conspiratória. - Ah, nós duas seremos tão amigas. 

Não-Sei-Quê foi uma continuação bem estruturada e uma conclusão satisfatória para a série. Não vejo como poderia ter terminado de outra forma. Os elementos de steampunk não foram tão bem explorados como eu gostaria, mas gostei de quase tudo que eu vi na história.

Bom gente, é isso. Espero que gostem da resenha, até a próxima

Forte abraço!


19 comentários:

  1. Que livro bonitinho. A história é cativante e a capa muito linda. Não conhecia a série e me interessei bastante.

    Acho que ter histórias um pouco arrastadas são necessárias - às vezes - mas confesso que não curto muito histórias com leituras lentas, prefiro fluência ao ler.

    ^^

    ResponderExcluir
  2. Mesmo sua resenha Gabriel estando ótima, ela não conseguiu me despertar o interesse pelo livro. Não gosto muito de livros do gênero fantasia e mitologia e o fato de você dizer que a trama se desenvolve lentamente não me animou em nada.

    ResponderExcluir
  3. Oi Gabriel, fiquei bem interessa em O Peculiar mas não consegui ler o livro, mesmo assim fico feliz em saber da conclusão da série, me parece ser uma ótima pedida para eu pegar toda a série e me jogar nessa história numa tarde de domingo ^^

    Beijos,
    Joi Cardoso
    Estante Diagonal

    ResponderExcluir
  4. Não conhecia essa duologia e até fiquei curioso, sabe? Muito bom você ter colocado os prós e contras dessa leitura pois já me permite adaptar rápido a essa "trama lenta" que segue. Fica anotado aqui para uma futura leitura, claro, quando eu puder comprar eles, pois vamos combinar, QUE CAPAS LINDAS DE LINDAS *----* Abraços!

    ResponderExcluir
  5. Não conhecia a duologia, mas parece ser uma história interessante e cativante, adorei a resenha,
    o livro me interessou, talvez eu leia em breve.

    ResponderExcluir
  6. Oi Gabriel,

    Embora eu goste livros escritos em terceira pessoa com várias pontos de vista, não creio que me interessaria por este livro, ainda assim o fato dele abordar sobre o mundo das fadas e esse ser um tema que pouco li despertou minha curiosidade e vou pesquisar um pouco mais sobre essa duologia.

    :)

    ResponderExcluir
  7. adorei a resenha, nao tenho certeza se ja ouvi falar desse livro mais a capa é bem familiar pra mim, fiquei interessada em ler, o tema é bem diferente do que eu to acostumada, gostei do livro e quero ler.

    ResponderExcluir
  8. Oi, Gabriel!
    Não conhecia essa série. Gostei da sinopse, a capa está incrível, mas fiquei meio receosa quanto a escrita do autor. Me incomoda, um pouco, essa leitura arrastada, lenta. Mas, mesmo assim, fiquei curiosa para conhecer o livro. Adorei sua resenha!

    ResponderExcluir
  9. Olá, Gabriel.
    Esse me parece ser um infantojuvenil interessante, principalmente porque tem uma leve pegada steampunk. Quanto ao desenvolvimento mais lento e o vocabulário um pouco mais rebuscado, isso não me desanima. Consigo curtir um livro com essas características.
    Excelente dica.

    Desbrava(dores) de livros - Participe do nosso top comentarista de junho. Você escolhe o livro que quer ganhar!

    ResponderExcluir
  10. Ja ouvi falar desse livro e ate vi o primeiro volume, mas não li o livro ainda e agora lendo a resenha do segundo livro tive vontade de ler esse livro ^^ A temática do livro é bem diferente e foi isso o que mais me atraiu.

    ResponderExcluir
  11. Ainda não conhecia esse livro e nem o anterior, mas me agradei porque gosto muito de fadas. Pena que o início desse tenha sido um pouco arrastado, o que pode acabar desanimando para fazer a leitura, mas mesmo assim fiquei curiosa. Já quero ler e saber o que vou achar dele.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  12. Oi, Gabriel
    Não conhecia esses livros e provavelmente não gostaria da leitura porque não "faz meu tipo", mas imagino que o público alvo seja bem envolvido pela trama. É bom que o autor não subestime a capacidade do leitor, ou tornaria a narrativa infantil demais.

    Beijos,
    Duas Leitoras

    ResponderExcluir
  13. Nunca tinha visto esse livro, mas confesso que não me despertou não, apesar da boa resenha. Não tenho absolutamente nada contra livros infantojuvenis, mas o assunto é que não foi muito do meu interesse mesmo, rsrs
    De qq forma, foi super válido conhecer mais um livro que eu ainda não fazia ideia.
    Bjinho

    ResponderExcluir
  14. Olá Gabriel
    Adoro duologias porque são mais rápidas e não fico tão ansiosa em esperar um livro só. Eu não conhecia, mas fiquei interessada e quero ler logo o primeiro volume para ver se vou gostar!!
    Abraços
    Gabriela Vidal
    www.estantedepapel.com
    Participe dos nossos sorteios!

    ResponderExcluir
  15. Oi Gabriel!
    Infelizmente eu ainda não li o primeiro livro, mas essa duologia parece ser muito boa. Gosto quando os autores não subestimam os leitores de infantojuvenis, isso me empolga mais para ler.
    Abraços

    ResponderExcluir
  16. O livro não chega a ser do meu interesse, embora sua trama seja bem curiosa e acho que seria ótimo dar ele de presente para alguém mais novo, principalmente pela mitologia que envolve.

    Abraços

    ResponderExcluir
  17. Oi Gabriel, não li ainda o livro anterior, mas anotei a dica para procurar aqui para os filhotes.
    Bjs,Rose.

    ResponderExcluir
  18. Bela resenha, eu para ver a sua empolgação com o livro.
    Eu não gosto muito de livros infanto juvenil, não consigo me prender a leitura, mas gostei que o blog apresentou a resenha de um gênero diferente.
    Sempre já leitores que tem irmãos e crianças com idades para esse tipo de leitura.
    Bjus

    ResponderExcluir
  19. Oi Gabriel,
    Sua resenha foi muito boa!
    Se minha filha fosse mais nova talvez eu comprasse pra ela. É uma boa leitura infantojuvenil. Eu mesma não me interessei muito pelo livro nem pela série.
    Um super abraço

    ResponderExcluir

Comente, ficarei muito feliz em saber sua opinião!!!