Resenha #407 - Minha Lady Jane - Cynthia Hand, Brodi Ashton e Jodi Meadows - Gutenberg

Título: Minha Lady Jane
Autor (a): Cynthia Hand, Brodi Ashton e Jodi Meadows
Editora: Gutenberg
Ano:2017|Páginas: 368

- Recebido em parceria com a editora.

Comprar: Amazon |Submarino |Saraiva 
Sinopse: Toda história tem sempre duas versões…
Inglaterra, século XVI, dinastia Tudor. O jovem Rei Eduardo VI está à beira da morte e o destino do país é incerto. Para evitar que o poder caia em mãos erradas (leia-se: nas mãos de Maria Sangrenta), Eduardo é persuadido por seu conselheiro a nomear Lady Jane Grey, sua prima e melhor amiga, como a legítima sucessora
Aos 16 anos, Jane está em um relacionamento muito sério com seus livros até ser surpreendida pela trágica notícia de que terá de se casar com um completo estranho que (ninguém lembrou de contar para ela) tem um talento muito especial: a habilidade de se transformar em cavalo. E, pior ainda, descobre que está prestes a se tornar a nova Rainha da Inglaterra!
Arrastada para o centro de um conflito político, Jane suspeita de que sua coroação na verdade esconde um grande plano conspiratório para usurpar o trono. Agora, ela precisa definitivamente manter a cabeça no lugar se… bem, se não quiser literalmente perder a cabeça. Um rei relutante, uma rainha-relâmpago ainda mais relutante e um nobre (e) garanhão puro-sangue que não se conformam com o destino que lhes foi reservado; uma história apaixonante, envolvente, cativante, sedutora… e mais uma porção de sinônimos que só Lady Jane seria capaz de listar. Tudo com uma leve semelhança com os fatos históricos.…afinal, às vezes a História precisa de uma mãozinha.
Imaginem um livro divertido? Agora dobrem!!! É isso que vocês vão encontrar em Minha Lady Jane, lançamento desse mês da Editora Gutenberg. Fazia muito tempo que eu não me divertia tanto lendo um livro de fantasia. Ele é uma parceria entre três autoras americanas e tem a proposta de apresentar ao leitor uma versão totalmente nova da história de Jane Grey, que foi rainha da Inglaterra por apenas nove dias antes de ser decapitada. Jane Grey era prima de Edward Tudor, que na vida real morreu muito jovem e nomeou a prima para ser sua sucessora desde que ela se casasse. Vale lembrar que nessa época existia uma guerra religiosa na Inglaterra entre católicos e protestantes.