Resenha #460 - Espelho Secreto - M.J. Putney - Bertrand Brasil

Título: O Espelho Secreto
Série: Dark Mirror #1
Autor (a): M. J. Putney
Editora: Bertrand
Ano: 2017|Páginas: 308

- Recebido em parceria com a editora.

Comprar: Amazon |Submarino


Sinopse: Aos 16 anos, Lady Victoria Mansfield, Tory, a caçula do conde e da condessa de Fairmount, tem por destino uma vida encantadora e uma gama de pretendentes à sua altura. Até que uma assustadora descoberta ameaça arruinar sua vida e denegrir o nome de sua família para sempre: seu sangue está contaminado… por magia. Quando um terrível acidente obriga Tory a revelar seus poderes mágicos, ela é imediatamente exilada para a Abadia de Lackland — um reformatório para jovens de sua posição social que também carregam o terrível dom da magia. O maior desejo da garota é ser curada, voltar para casa e, talvez, recuperar um pouco de sua vida despedaçada. Em vez disso, porém, a curiosidade e a atração pela magia levam a jovem a se unir a alunos rebeldes, que resolveram usar seus poderes mágicos para proteger a Inglaterra.


Olá, hoje vim falar da leitura que terminei a pouco tempo O Espelho Secreto - primeiro volume da série Dark Mirror. Eu amei!

A ambientação deste livro é Inglaterra do século XIX e não temos apenas magia, mas personagens bem descritos, e fatos reais históricos que se misturam à ficção dando um colorido muito especial à trama.

Victoria Mansfield é uma jovem "bem nascida", Criada com boa educação e tutores para lhe ensinar o necessário sobre como gerir um lar e também coisa que apenas homens aprendem em escolas, mas como seu pai acredita em filhas bem informadas, ele sempre manteve suas meninas com tutores particulares e seu filho homem também bem educado, porém em uma instituição como deve ser. 
"- Magia é coisa do demônio e já está na hora de a proibirmos. Quem nunca sofreu nas maos de magos que utilizam seus poderes para enganar e manipular? Eu digo que está na hora de recomeçarmos a queimar bruxas!"
Victoria, ou Tory, é a caçula de sua família e em breve será apresentada à sociedade; sua família é muito respeitada e uma das mais conhecidas e ricas - são os Fairmount. Seu pai é rígido, porém clássico para sua posição social, sua mãe maravilhosa e ela tem muita sorte por ter ela diretamente lhe ensinando diversas coisas ao invés de delegar a terceiros como a maioria das mães de famílias ricas o fazem; além disso tem uma incrível melhor amiga. Mas a coisa muda de figura quando em uma festa importante dada por sua família se torna seu pior pesadelo.

Algum tempo antes Tory descobre ter agia, ela pode flutuar, e acorda em uma manhã flutuando sobre sua cama e sua mãe a encontra, isso não é algo bom, ao menos toda a sociedade rica vê isso como uma maldição, sua mãe à aconselha a esconder bem seu poder, do contrário nem mesma ela poderá evitar que seu pai a jogue na Abadia de Lakland, um lugar para onde os "bem nascidos" são enviados para obterem a cura e com sorte serem aceitos de volta por suas famílias, mesmo que não na posição de antes, sendo treinados para serem governantas, tutoras ou coisas assim, e quem sabe até, com sorte obter um bom casamento com àqueles antes considerados impróprios para sua classe social (comerciantes e afins). 


Tory, faz bem seu papel de aprender a se controlar e esconder de todo seu poder, mas isso cai por terra quando seu sobrinho fica em perigo e então ela usa sua magia para salvar o menino e assim se revelando não apenas ao restante de sua família, mas à toda alta sociedade presente no local. É um imenso alívio para sua cunhada e irmão ver o menino bem e vivo. Mas todo o restante à lha com nojo, horror, incluindo o rapaz por quem estava interessada e sua melhor amiga. Tory sente-se perdida e sabe qual será o seu destino, mas não imagina que o mesmo seja cumprido logo na manhã seguinte. Mesmo suas irmãs, irmão e mãe não a condenando. Ela é enviada para a Abadia pelo seu pai com um casal de empregados da residência - ele nem sequer foi vê-la.
"- Não posso ser uma maga! - ofegou Tory, chocada diante da impossibilidade da palavras da sua mãe. - Sou uma Mansfield. Nós não somos mágicos!"
Ao chegar ao local de destino Tory sente uma opressão enorme aos seus instintos, dizem que o lugar é composto por algo que inibe a magia e ela sente-se como se estivesse sufocada. Tudo que ela pretende é entrar, ser curada e ir embora o mais breve possível, quem sabe seu pai a aceite de volta em casa e ela ainda possa ocupar alguma posição na sociedade. Mas logo ela descobre um mundo todo diferente do que ela conhecia, pessoas que aceitam a magia, pessoas que lutam por um objetivo e principalmente se aceitam como são e aos outros. Ela fica dividida e em dado momento encontra um grupo no labirinto que há embaixo da Abadia, onde o poder parece emanar cada vez mais das paredes e terra.
"- Como a magia pode ser anormal se tanta gente a possui? ... Anormal é fingir que a magia não é real quando ela é."
Ela será apresentada a um grupo autoproclamados "irregulares" e ao objetivo do mesmo, desenvolver suas magias para que possam defender seu povo, já que uma guerra se aproxima. Tory decide por ora fazer parte do grupo, podendo sempre mais tarde desistir, mas aos poucos novos fatos, acontecimentos e sensações vão surgindo e ela precisará decidir quem quer ser. Desistir de sua magia e voltar para seu mundo aceitando o que ainda restar para alguém como ela, ou assumir seus poderes e ser deserdada, porém dona do seu próprio destino e podendo com isso ajudar pessoas. 

Bom, o que posso dizer é que a história é encantadora, desde a ambientação da Inglaterra, costumes, personagens, aos fatos históricos e a combinação da magia com tudo isso. Realmente nos faz imaginar uma Inglaterra com pessoas com poderes, guerras histórias reais e situações como viagens no tempo entre outros. 

Fiquei encantada a cada virada de página. Tory é uma personagem que apesar de sua posição social não é mimada ou enjoada, apesar de sentir medo do desconhecido tem um caráter e coragem ímpar e por mais que ainda pense como qualquer dama de sua época (bons casamentos e afins), ainda assim, tem a força necessária para pôr as necessidades gerais à frente de sua própria.
"- A diferença entre um dom e uma maldição poder ser como você se sente a respeito dele. A maior parte dos magos sentem que os poderes enriquecem suas vidas, portanto, para eles, é um dom. Muitos invejariam suas habilidades."
Amei demais!



6 comentários:

  1. Oi, Karini. É muito difícil essa situação da Tory, por não ter o apoio de ninguém, sernreclusa (do pai principalmente), e receber somente o horror e desprezo de todos, e ao mesmo tempo. Mas, por outro lado, ela encontrar a aceitação através de pessoas desconhecidas, é um passo para ela aceitar quem ela é, independente de qualquer coisa.

    ResponderExcluir
  2. Oi Karini, quando vi o lançamento desse livro fiquei interessado nessa capa mas ainda não tinha visto nenhuma resenha dele e acabei deixando ele um pouco de lado. Mas essa resenha positiva, renovou meu interesse e assim que surgir a oportunidade vou querer ler com certeza. Tory parece ser uma personagem encantadora, e se ela não é dessas cheia de "mimimi" já me conquistou rsrs. Curti muito a resenha, vai pra lista de desejados e quero sim ler ;)

    ResponderExcluir
  3. Karini!
    Bem, livro ambientada na Inglaterra já é bom de ler e se a autora consegue inserir no enredo fotos históricos, misturados com a 'magia' do lugar e das pessoas, torna realmente uma leitura agradável, ainda mais com as personagens bem elaboradas e que conquistam o leitor.
    O que dizer mais do livro?
    Desejo uma semana abençoada e Um Novo Ano repleto de realizações!!
    “O objetivo de um ano novo não é que nós deveríamos ter um ano novo. É que nós deveríamos ter uma alma nova.”(G. K. Chesterton)
    cheirinhos
    Rudy
    1º TOP COMENTARISTA do ano 3 livros + Kit de papelaria, 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  4. Eu me encantei pelo livro! Gosto bastante de personagens GRLPWR, como Katniss Everdeen. Mas, gosto também de fugir desse tema, pelo menos o mínimo que seja, o que me levou a paixão por Tory, sua aceitação na sociedade e sua falta de mimo. Personagem marcante, gostei!

    ResponderExcluir
  5. Eu acredito que este seja um livro estilo "me ame ou me odeie". Li muita coisa a respeito dele nos últimos tempos e o coloquei na lista de desejados sim!
    Uma personagem tão jovem, tendo que tomar decisões tão importantes. A aventura, a família, o romance. Creio que tudo seja pano de fundo para uma história que deu certo sim e eu pretendo ler em breve!
    Beijo

    ResponderExcluir
  6. Olá Karini!
    Achei muito legal a personagem ter uma posição social elevada, não ser mimada e fiquei com pena da Tory, mesmo tendo salvo o seu sobrinho, foi alvo de desprezo, Gostei muito da resenha e vou ler assim que for possível!!

    ResponderExcluir

Comente, ficarei muito feliz em saber sua opinião!!!