Resenha #457 - Bela Gratidão - Corey Ann Haydu - Galera Record

Título: Bela Gratidão
Autor(a): Corey An Haydu
Editora: Galera Record
Páginas: 432|Ano: 2017

- Recebido em parceria com a editora.

Comprar: Amazon |Submarino


Sinopse: Um romance sobre amadurecimento e a dureza de crescer em uma cultura que exige das mulheres nada menos que a perfeição. Corey Ann Haydu explora as complexidades da família, os limites do amor e quão duro é crescer em uma cultura que premia a beleza acima de qualquer outra coisa e cobra das mulheres nada menos que a perfeição. Uma leitura atual que dialoga direta e honestamente com a multiplicidade de questões enfrentadas por adolescentes e jovens no mundo todo – a confusão do primeiro amor, os dramas familiares e a construção da própria identidade no meio de toda essa loucura. O livro está cheio de personagens realistas, que tropeçam nos próprios medos e cometem erros com alguns dos quais é impossível não se identificar. Montana e sua irmã Arizona têm um pacto desde que a mãe as deixou: São elas duas contra todo o mundo. Com o pai sempre imerso em relacionamentos tóxicos e uma sucessão de madrastas essa foi a maneira que encontraram de seguir em frente. Mas agora que Arizona foi para a faculdade Montana se sente deixada pra trás e perdida, mergulhando em uma amizade vertiginosa e empolgante com a ousada Karissa. No meio disso tudo, Montana encontra uma distração em Bernardo. Resta saber se Montana têm a confiança necessária no que sentem um pelo outro para encaixar Bernardo na sua vida imperfeita.

Olá, Recebemos esse livro em parceria com a Editora e eu estava bem curiosa a respeito. Já tive contato com outro livro da autora, então queria muito ler esse também. Quem não sabe, ela escreveu Uma História de Amor e Toc. 

Apesar da leitura do livro mencionado ter sido mediana, boa. Por conta de eu ter sentido necessidade de alguns pontos serem mais bem explorados e uns capítulos meio arrastados, ainda assim a experiência foi proveitosa e curti muita coisa. Então logo que vi Bela Gratidão fiquei super afim.

Bom, Bela Gratidão traz um enredo recheado sentimentos e reflexões importantes. Nessa história temos Montana cuja vida sempre foi tumultuada, sua mãe se foi quando ainda era criança e ela foi criada pelo pai e um entra e sai de mulheres na vida dele, ele é cirurgião plástico, então imaginem o quanto o "glamour" da profissão acaba por atrair e também certa ausência e muitas perdas; desde a mãe que se foi a todas as pretendentes a madrasta que tiveram Montana e sua irmã Arizona.

Montana é a caçula e quando digo que a mãe se foi, não ela não faleceu, ela foi embora, abandonou a família, as filhas. Simples assim, ao que parece. Arizona não está mais presente já que entrou no período da universidade, com isso Montana está ainda mais só e isso foi mais uma perda de certa maneira. Pois sua irmã e ela sempre estavam lá uma para a outra, agora Montana se vê sozinha no meio de um monte de coisas e pessoas que vão e vem. Além disso, o código de irmãs parece ter sido substituído por algo que ela não reconhece mais, sua irmã se foi mesmo, parece que sem nem ligar e ainda fez cirurgia plástica - Silicone! Era algo que elas juraram não fazer.

Tem o lado paterno que além de ter muitas mulheres indo e vindo ainda é o típico que preza pela beleza, perfeição e essas coisas. Afinal o cara é um grande profissional da área. A coisa é tão "engraçada" que suas filhas têm até um vale presente para usar em cirurgias, as que quiserem e quando tiverem idade o suficiente para isso. O meu sonho! Mas não o de Montana. Afinal ela vê isso como uma espécie de terror, ela não é boa o suficiente, bela o suficiente ou qualquer coisa no gênero sequer para seu pai. (lembrando que ela lida com o abandono da mãe, e com as idas e vindas de mulheres diversas na vida de seu pai).

Mas a vida de Montana é isso, e em meio a tudo isso ela faz amizade com Karissa e Bernardo. Karissa é especial, pois trás para Montana algo próximo a exemplo, inspiração, modelo a seguir. Enquanto Bernardo era o carinha que sempre estava lá observando. Com ele, Montana vive coisas novas e intensas, mas parece que seu pai entra na mesma vibe e arruma uma namorada nova e isso é a treva. Sabe quando tudo já está um caos e pensamos: "Há! Pior que está não vai ficar!" - Acreditem - Fica sim! E muito! O sentimento de rejeição vindo de Montana é palpável! Ela fica muito aborrecida com essa nova relação do seu pai. Essa pessoa em questão é uma daquelas que pensamos: "Essa não Senhor!" - Mas parece que as coisas vão ficando sérias e vai ter casamento! Socorro!

E é isso temos um enredo repleto de sentimentos à flor da pele, perdas, aceitação, recomeços, mudanças inesperadas, abandono, amizade, amor, perfeição imposta pela sociedade (beleza), obsessão, família, o que um lar desfeito e atos impensados causam nas pessoas ao redor, gratidão e muito mais. É um leque imenso de sentimentos que os livros nos apresentam e nos faz refletir muito a respeito.

Sempre digo, em primeiro lugar que pais, devem pensar em si, mas principalmente nas atitudes que tomam que influenciam a vida de seus filhos para sempre. Aqui nesse enredo, vemos duas meninas que foram abandonadas por uma mãe e que viveu em um lar onde o pai sempre entrou e saiu de muitas relações, tornando a vida delas cada vez mais instável e imprevisível. Para muitos isso pode não ser grande coisas, mas isso deixa marcas profundas e podem influenciar diretamente no tipo de caráter e adultos esses jovens serão mais tarde. 

Montana é sensível, alguém que não está nem de longe preparada para o mundo, que foge de atritos e muitas vezes ela se esconde para não sentir - ou fingir que não sente. Arizona se tornou forte? Não! Tornou-se fria, seca, vazia. Cada qual influenciada pelo meio de onde vieram. Mesmo com "dinheiro" e "glamour", faltaram os valores familiares, os laços e etc que se firmam em uma família comum.

Bernardo foi uma grata surpresa na vida de Montana e o sentimento que um nutre pelo outro é no mínimo fofo e só o que pensei o tempo todo foi: "Ela merece pelo menos essa alegria!". Que nada interfira.

Ainda que haja muitas falhas na família descrita por Corey, qual família é perfeita? Então esse é um dos principais x desse enredo - Família! E também um ponto que não posso esquecer-me de falar é sobre essa coisa de o pai das meninas transformarem as mulheres em seres perfeitos aos olhos. Não falo isso de uma forma preconceituosa, sou super a favor da cirurgia plástica para todos aqueles que desejam, mas aqui o que eu percebi que é uma obsessão, uma busca desenfreada por "corrigir" tudo que não está onde deveria ou sei lá como definir isso; sinceramente falando.

Vou falar agora dessa capa maravilhosa do livro, que é uma fofura e confesso que também foi o que me chamou atenção, antes de sequer ler a sinopse. Sim! Às vezes sou fútil e me ganham pela capa.

Concluindo eu curti muito a leitura que como eu disse é muito reflexiva. Teve alguns pontos que assim como na leitura de outro livro da autora, acho que ela poderia ter explorado mais. Algumas coisas ficaram no ar, porém ainda assim percebo que a leitura foi muito prazerosa e eu recomendo!



34 comentários:

  1. Eu estava com um pé atrás de ler esse livro por conta de alguns comentários negativos que eu li a respeito dele mas depois de ler a sua resenha eu vou dar uma chance a ele. Gosto de leituras reflexivas. A capa é tão linda!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gostei muito! Achei delicado na medida certa tratando de um tema bem interessante! Vi pessoas com impressões negativas também, depois que escrevi minha resenha, mas acho que livros são assim, causam em cada um uma impressão!

      Excluir
  2. Olá. Já ouvi falar do primeiro livro da autora mas nunca desse, e logo me interessei. Amo essas problemáticas adolescentes, acho muito legais de explorar, apesar de imaginar que irei me irritar muito com a irmã Arizona e o pai das meninas, detesto pessoas negligentes com seus filhos e pelo visto ele faz isso de alguma forma. Mas ainda assim pretendo ler a obra.
    Beijos
    http://www.leitoraencantada.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também penso que filhos serão espelhos de sua criação e me sinto incomodada igualmente com esse tipo de "negligência", mas o livro é muito interessante e curti bastante.
      Espero que goste também!

      Excluir
  3. Olá! Lendo a resenha, eu diria que o livro não é exatamente um romance, né (apesar de ser classificado como tal)? Acho que ele é focado nas mudanças sofridas por uma garota tão jovem e em como ela lida com isso... E também pelo abandono. Mas, parece ser enfadonho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Romance na verdade é um gênero com narração em prosa, longa, que conte uma "história" mesmo sobre os personagens. Não precisa ter cenas românticas, casal nem nada. Assim, um terror é romance.

      Excluir
    2. é romance, afinal tem o lance entre a protagonista principal e seu crush que muda sua perspectiva. Mas também tem drama, relações familiares, perdas e muitos outros sentimentos. Na minha opinião, esse misto, foi que tornou essa leitura especial! E não apenas mais um romance entre adolescentes entende?

      Excluir
  4. Ainda não conheço as letras da autora, mas amo livros assim, que trazem os sentimentos em toda sua plenitude. Sejam amor, medo, culpa e amizade.
    Acredito que explorar o que temos dentro de nós, pode fazer qualquer enredo se tornar bom, sem ser preciso tornar um livro auto-ajuda.
    O ser humano tem seus segredos, medos, sentimentos escondidos e pelo que li acima, todos os personagens trazem isso em sua totalidade.
    Vai para a lista de desejados e se possível, quero muito conferir!
    Beijo

    ResponderExcluir
  5. Achei interessante o tanto de coisa que pode ter nessa leitura, o tanto de sentimentos e os temas que aborda. Pode ser legal por isso. E como a família é a questão principal. Todos os defeitos, tudo o que tem ali pra melhorar, as coisas erradas, até essa obsessão pelo perfeito e corrigir coisas e etc. Tem muita coisa aí que acho que iria me deixar fula de ler, mas a graça tá nisso, em ver tudo de errado e fazer pensar. Pode ser uma leitura legal.

    ResponderExcluir
  6. VALE CIRURGIA? hahahahahah socorrooooo!! quero também!b :p
    Só não entendi se tem romance ( de verdade) com esse Bernardo ou não. Gosto muito de um drama mas não puro. Nunca consigo verdadeiramente me sentir tocada ou emocionada numa história puramente dramática. Sem romance, comédia (coisas tão comuns no dia a dia) me parece tudo muito triste e forçado. Não consigo me apegar ou sentir que aquilo é real. Enfim.. não me cativou, nem a sinopse nem a resenha. Só a capa linda haha
    bjss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem um pouco de tudo Luiza. O enredo não é perfeito, mas acredito que cumpriu bem seu papel.
      Entendo seu ponto de vista, e na minha opinião, para me tocar tem que ter realmente uma relação com a realidade, quando se trata de drama.. E acredito que temas propostos no livro trouxe isso.

      Eu, melhoraria uma ou outra coisa na história, mas leitor tem essa mania não é? Querer mexer no enredo.. rsrs

      E olha! Não fala do Vale Cirurgia não menina! Estou precisando de um! rsrs

      Mas tirando o "engraçado" de lado, vivemos em uma sociedade hipócrita, que exige um padrão, por mais que tenham introduzindo o plus size no mercado, que tenham percebido que o mundo não é mais magérrimo! Ainda assim existe uma busca constante por padrões impostos.

      Não vou entrar no quesito: "magro" "gordo" "saúde" "doença" "depressão" e etc. Mas tudo isso dá é "pano para manga!"

      Excluir
  7. Olá! A capa está realmente muito bonita, não conhecia a autora, mas o enredo do livro parece ser bem interessante, pois aborda várias situações, já fiquei curiosa em saber qual será o desfecho de Montana, afinal teremos casamento?!

    ResponderExcluir
  8. A capa é mesmo fofa Karini e a escrita parece ter melhorado e te encantado bem mais nesse livro. Achei legal as mensagens que trás, o fato de levar o leitor a pensar, pois concordo contigo sobre o exemplo que pais dão aos filhos, pois como diz teu texto sobre as atitudes dos pais: "influenciam a vida de seus filhos para sempre". Ótima resenha ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Lili, pois é, tenho filhos, então não tem como não se ver em algo e pensar dessa forma. Sempre digo que meus filhos serão reflexo da criação que damos e assim passarão para os filhos deles, por mais que eles corrijam algo aqui ou acolá, sempre serão como um espelho!

      Excluir
  9. Olá, apesar da inconsistência da trama, fato que pode tornar o a leitura um pouco lenta, o tema abordado pela autora chama a atenção, ainda mais por inclinar-se para os efeitos da obsessão com a estética, que deixa muitas reflexões para o leitor. Beijos.

    ResponderExcluir
  10. Olá!
    Eu não conhecia o livro mas vejo que é bem interessante a historia. O tema abordado nele e bem incrível, onde vemos que todas as mulheres se preocupa demais com a beleza, que a beleza realmente é tudo mas a pequena garota ver isso algo como fútil e algo bem interessante da parte dela. Me deixou bem curiosa por esse livro!

    Meu Blog:
    Tempos Literários

    ResponderExcluir
  11. Oi Karini!
    Olhando para o livro eu imaginava algo bem fofo, bem leve, um pouco diferente do que é a história. Achei o enredo parecido de filmes que já assisti, tipo sessão da tarde sabe? Acho ótimo a autora lidar com o tema família na história, e bateu a curiosidade para saber o desfecho do pai da Montana, se ele vai começar a enxergar a realidade ou não! Ri com a parte do vale cirurgia, é tão surreal que chega a ser engraçado!!
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vitória, sabe.. Hoje em dia acho complicado não ter essa impressão, de "sessão da tarde" ou "clichês", afinal dá-lhe livros em nós! Muitos lançamentos, muitos autores "pegando a onda" e criando um texto, mas acredito que ainda assim, temos um diferencial quando o autor desenvolve bem a trama.. Temos nesse livro, pontos altos e baixos.. Mas ainda assim o tema trouxe algumas reflexões interessantes.. em se tratando de assuntos assim é o mínimo que podemos levar dessas obras: lições e verdades para a vida real!

      Beijos doces!

      Excluir
  12. Gosto muito de livros que como este nos faz refletir sobre um determinado assunto, e o que percebo e que fala sobre a família de um jeito muito real, já que nenhum família e perfeita, por mais que busque a perfeição, isto e algo inalcançado, principalmente quando correlacionado com a estética. Uma pena que a trama tenha deixado alguns pontos em aberto, tornando a leitura ora lenta, porém ainda sim pretendo dar uma chance a obra, até porque esta edição esta lindíssima.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lana, tudo bem? Apesar de não ter favoritado.. Ainda assim foi uma leitura muito reflexiva. Curto o tema que envolve família, relações e afins.. Acho interessante a abordagem, principalmente quando sai um pouco da ficção para retratar, mesmo que de forma diferente os problemas que muitos enfrentam em seus lares, em seu eu interior e afins..

      A leitura é válida e achei que valeu a pena!

      Excluir
  13. Olá!
    Ainda não tive oportunidade de ler essa belezura, estou com mtas expectativas em relação ao enredo, a leitura pra mim parece bacana e agradável, espero cumprir minhas metas logo e chegar nessa obra logo.
    Bjs

    ResponderExcluir
  14. Olá Karini! Esse livro nos joga no mundo da beleza e da perfeição que envolve as personagens. Dá até pena da Montana com tantas coisas negativas permeando sua vida, e dá pra perceber que ela se sente muito só. Gostei bastante da história e acho que leria se tivesse a oportunidade. A capa é mesmo muito fofa e delicada. Beijos

    ResponderExcluir
  15. Concordo, a capa é muito fofa e a história parece ser legal. Imagina um pai cirurgião plástico! A obra parece abordar bem essa questão de padrões de beleza, sendo ainda mais reafirmados com a área que o pai das meninas escolheu.
    Interessante escolher o nome dos estados dos EUA pras meninas, Montana e Arizona, certamente ela deve explicar esse detalhes no livro. Bjs!

    ResponderExcluir
  16. Ola, Também achei a capa do livro lindíssima, não conheço a escrita da Corey An Haydu, mas gostei da resenha e gostaria de ler, coitada da Montana, abandonada pela mãe, a irmã indo para Universidade e um pai que é obcecado pela perfeição, realmente é a treva e ainda ter de aguentar inúmeras namoradas, não é fácil, ainda bem que ela conheceu o Bernardo para alegar um pouquinho a vida!! Adorei a Dica e vou ler com certeza!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem seus dramas.. mas também tem amor e gratidão!

      Excluir
  17. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  18. Oi tudo bem?

    Ainda bem que mesmo que tenha gostado da capa primeiramente, você tenha gostado da leitura - odeio quando isso não acontece! Realmente o livro trata de assuntos muito importantes e mesmo que tenha deixado algumas pontas soltas irei fazer a leitura afinal adoro livros que nos fazem refletir.

    Beijos

    ResponderExcluir
  19. Concordo. Eu sou meio fútil as vezes, em amar uma capa e pá! Leitura bosta! Mas curti essa!

    ResponderExcluir
  20. Li Uma História de Amor e TOC esse ano e gostei, então quando vi esse lançamento fiquei interessada, além da capa ser bem fofinha. Sua resenha ficou engraçada em alguns momentos como "é uma daquelas que pensamos: "Essa não Senhor!", eu ri aqui e foi bom que descontraiu o clima tenso que o livro parece ter em alguns momentos. Pelo visto é um daqueles livros cheio de dramas familiar. Fiquei pensando o que aconteceu.
    Será que a Montana e a Arizona vão conseguir se entender? Será que o pai vai sossegar? Vai aprender a olhar para as filhas de forma diferente? Será que a mãe vai voltar? O livro tem várias questões. Com um misto de sentimentos. Gostei de saber mais sobre ele na resenha.

    ResponderExcluir
  21. Oiee!
    Confesso que achei o livro mediano, não teve muitos acontecimentos que me deixaram com aquela pu** vontade de ler. É fofo, mas não é o que pretendo ler no momento, quero algo mais intenso. Porém devo admitir que gostaria de saber por que as meninas foram abandonadas pela mãe. No mais é isso.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  22. Karini!
    O que ach uma das coisas mais legais daqui é que vejo resenha de livros que nem ouvi falar em lugar nenhum.
    Gosto quando o livro traz a temática familiar, mesmo que aqui seja uma família bem desestruturada.
    A pobre da Montana tem que lidar com sentimentos profundos de rejeição e ainda uma série de outros sentimentos que devem torná-la uma pessoa um tanto triste...
    Fiquei bem curiosa para ler, mesmo dizendo que tem alguns trechos arrastados.
    Um Novo Ano repleto de realizações!!
    “Para ganhar um ano novo que mereça este nome, você, meu caro, tem de merecê-lo, tem de fazê-lo de novo, eu sei que não é fácil, mas tente, experimente, consciente. É dentro de você que o Ano Novo cochila e espera desde sempre.” (Carlos Drummond de Andrade)
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  23. Achei a temática desse livro bem interessante por se tratar de questões familiares Pretendo ver ele mais breve possível

    ResponderExcluir
  24. Bela Gratidão me pareceu um livro ótimo em questão de reflexão em algumas situações, mas como você disse, assim como em Uma História de Amor e Toc (li e gostei), parece que há lacunas que poderiam ser preenchidas. Achei bem estranho o fato da família perfeita, o que me desagradou imaginando a leitura. Pensarei sobre isto.

    ResponderExcluir
  25. A capa é simples, mas gostei. Não sei se leria esse livro, não faz meu gosto. Porém, pela resenha, essa coisa de perfeição não é muito diferente da sociedade atual. Onde certos padrões são mais valorizados. Enfim, o livro parece ser bom, mas não é a minha cara.

    ResponderExcluir

Comente, ficarei muito feliz em saber sua opinião!!!